Reflexo do espelho – o filho é o reflexo dos pais?

A criança e adolescente tem como referencia e aprendem a como se comportar através da postura e comportamentos dos familiares, professores…. estão o tempo todo observando como os pais se comportam. Por esse motivo as orientações devem estar coerentes as atitudes:

  • Ser compreensivo e colocar os limites mantendo o controle são a melhor forma de você ensinar o seu filho a lidar  de forma adequada com as situações do dia a dia.
  • O adulto deve manter boas relações com os outros, valorizando o respeito. Assim ajuda o jovem saber se comunicar com família e com a sociedade.
  • Os valores do que realmente é importante são transmitidos por comportamentos. O adulto é o exemplo. O ditado “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço” não funciona. Por exemplo, não dá certo dizer para a criança se esforçar, ser correta, se ela vê os pais “dando um jeitinho” para conseguir as coisas mais rápido e fácil. Se ela aprende que se resolvem as coisas “passando a perna” nos outros, é muito provável que uma hora ela faça o mesmo, inclusive com os pais.

A frase “o filho é reflexo dos pais” realmente tem “um fundo” de verdade. Claro que cada um tem sua personalidade, suas escolhas e suas responsabilidades sobre os seus atos. Não pode responsabilizar os pais por tudo que os filhos fazem, principalmente quando esses filhos já são adultos. Mas também é verdade que uma base de ensinamentos, de limites, de carinho, de trocas e respeito entre pais e filhos, ajuda as crianças se tornarem adultos “mais bem preparados para a vida”, emocionalmente mais estáveis e pessoas que respeitam mais o próximo.

4 COMENTÁRIOS

  1. Olá Michelli, ótimo artigo, parabéns.
    Certa vez li que esse pensamento de respeito a autoridade dos pais, levamos para a vida adulta, o que nos leva sempre a achar que a opinião de uma pessoa mais velha ou mais poderosa que você está sempre correta. Que se da esse tipo de comportamento?

    • Bom dia Renan,

      Pode acontecer, mas nem sempre.
      Normalmente, essa aprendizagem pode gerar uma sensação na pessoa de não poder questionar pq senão estará desrespeitando o outro. Também pode ocorrer pela autoestima baixa e sentimento de inferioridade que a acompanhou com essa “falta de permissão de dizer o que quer e o que pensa na sua infância e adolescência”, é como se ela não fosse autorizada ter a própria vontade e opinião. A pessoa não se sente segura consigo mesma, acredita que não tem maturidade ou conhecimento suficiente para ter uma opinião diferente. Costuma sentir inferior diante de hierarquias…

      Atenciosamente,

      Psicóloga Michelli Duje

  2. Olá boa tarde.
    Divorciei-me quando a minha filha tinha quase 5. Foi muito difícil para mim superar aquela fase. Andei deprimida. Tentei proteger a mina filha dos acontecimentos.
    Hoje penso que no que elá se está a tornar é culpa minha. Hoje tem 8 e está cada vez pior. Tento controlar o temperamento difícil dela com castigos . Principalmente com as atitudes dela na escola. Quase não tem amigos e as 2 que tem estão a fartar-se dela. É mando na e começou a tirnar-se violenta com elas… que fiz eu de errado? Ainda posso remediar o comportamento dela?
    Ela está a desleixar-se na escola…ajude-me por favor.obrigada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor informe seu nome