Eterna vítima / Prejuízos em se colocar nesse papel

Se colocar na posição de vítima traz muitos prejuízos. A pessoa torna a vida “pesada”, supervaloriza e intensifica os acontecimentos negativos do seu dia a dia. Ela também pode levar os outros:

  • A olhar como fraca, incapaz, coitada. Dessa forma,  quem se coloca no papel de vítima não consegue estabelecer limites com o outro com frequência.
  • Com o tempo tendem a evitá-la, afastam-se, pois pensam que ela sempre trará carga melancólica ao lugar.
  • Irritam-se, cansam e se magoam.
  • Passam a vê-la como manipuladora, porque (de alguma forma) sempre culpa o outro.

Sem perceber, alguns amigos, familiares e colegas reforçam essa postura na pessoa.

É comum ela acreditar que recebe atenção ou amor através do seu sofrimento.

A pessoa sofre e perde muito. Sua vida poderia ser outra, muito mais interessante, divertida, leve, com pessoas ao seu lado de forma mais positiva e verdadeira.

Para transformação é necessário refletir:

  • Será que se coloca no papel de vítima? Em quais situações?
  • Será que tem dificuldade de ver o lado do outro? Qual é o lado dele?
  • Costuma responsabilizar os outros por seus próprios problemas ou infelicidade?
  • Pensa com frequência que é injustiçada, imagina que estão falando de você ou querem te prejudicar?

É importante:

  • Assumir sua vida, incluindo as suas escolhas, comportamentos e erros.
  • Estabelecer limites, dizer “não” para o outro e para si.
  • Entenda que por mais que o outro tenha feito algo que levou a sensação de dor, é você quem vai permitir essa dor continuar ou não.
  • É você quem tem que tornar sua vida interessante e prazerosa. Apesar dos acontecimentos tristes, é você quem cria e torna o seu dia a dia melhor ou cheio de problemas.
  • Alimente os pensamentos que te fortalecem, não o contrário.
  • Se fortaleça e enfrente a si e aos outros. A vida começará a fluir melhor quando não se colocar mais nesse papel de vítima.

Se você tenta e não consegue fazer essa mudança, é fundamental o acompanhamento com o psicólogo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor informe seu nome